40 MINUTOS ANTES DO NADA

   O genial Nelson Rodrigues, aquele tricolor que melhor analisou a alma do brasileiro, criou a frase para a eternidade dos FLA X FLU:

O primeiro FLA X FLU aconteceu quarenta minutos antes do nada.

Isso é de uma inteligência, de uma criatividade, de um tudo, acima de qualquer coisa que o futebol possa criar.

O FLA X FLU de quarta-feira, 1 de novembro de 2017, foi uma das apresentações mais espetaculares do futebol brasileiro, desde os 7 x 1.

Imaginem um país que teve a evolução do seu futebol baseada no aumento dos campos: nas várzeas, nos terrenos baldios e nas areias das praias e, de uma década para a outra, os terrenos foram invadidos pela expansão imobiliária, as várzeas tomadas pelo crescimento da nossa salvadora agropecuária e as praias, berçários de dezenas de craques campeões, tiveram seus campos proibidos de utilização para o deleite dos banhistas.

O futebol brasileiro, consertem se eu estiver errado, é a melhor forma de inserção social que temos para a nossa juventude morena e abandonada, por esse caos que os larápios do voto impingiram à nossa pátria mãe jamais traída… por tantos.

As glórias foram todas para o Flamengo, afinal, será sempre pelo Flamengo que o futebol brasileiro mostrará um novo alento. Falemos do Fluminense, que já teve a maior torcida do Rio, hoje pena para ser forte dentro do Brasileirão, ou sumir. Essa era uma previsão do Grande Havelange para o Botafogo. O Botafogo não é “o clube da zona sul” e não é o clube preferido das outras zonas. Se o Botafogo não fizer isso que o Jair Treinador está fazendo, tende a sumir. O Botafogo não tem apelo popular. Por isso:

“Vivas ao Jair Ventura, filho de craque, Salvador do Botafogo.

O Botafogo de hoje é a cara vencedora do Brasil que queremos. Renovar é preciso.

Foi nesse FLA X FLU que Flamengo e Fluminense tiveram seus plantéis valorizados em mais de US$40 milhões, cada um. O lançamento corajoso de vários juvenis e as suas performances para o mundo ver, parabeniza os dirigentes e atletas que deram um brilho todo especial ao clássico mais famoso do Brasil.

O Vinícius Jr, vendido por milhões, até então, não digeríveis, passou a ser palatável depois do FLA X FLU. O Crioulo, por ser a forma carinhosa como os colegas do Edson Arantes chamavam o Rei Pelé, mostrou ao mundo que é do ramo. A camisa 9 da Canarinho, eu voltei a escrever a nossa seleção com letra maiúscula, está em aberto e com vários nomes.

O Fluminense perdeu o título mas empatou a partida, e seus craques deram um show de talento, performance e desenvolvimento tático. O Fluminense jogou muito.

O Nelson Rodrigues também foi o inventor da frase:

“Esse é o nosso Complexo de vira-latas” e aí ele mostrava tudo de ruim que impedia o brasileiro de subir na vida pela competição que o mundo já exigia na década de cinquenta. Em todos os setores.

O FLA X FLU deu bonzo para os vira-latas e puxou para cima, com sushis e sashimis, as onças que existem em cada um de nós.

Roberto Caminha Filho, economista e nacionalino, é fã do Nelson Rodrigues.

Deixe um comentário